366 Records

No final de 2015 tive uma ideia. Algo simples. Criar um blog onde durante todos os dias 2016 (tem 366 este ano), iria colocar a capa de um disco. Sem qualquer tipo de regra ou critério, com a única excepção de o ter escutado com regularidade nalgum momento da minha vida. É, sem sobra de dúvida um exercício pessoal, muito pessoal.
Também consigo pensar nele como um exercício de auto-disciplina, porque acreditem que não é fácil de levar algo assim do princípio ao fim. Em primeiro lugar porque arranjar 366 álbuns que me disseram ou dizem alguma coisa não é uma tarefa fácil. Em segundo, porque não é difícil esquecer de o fazer; a vida tende a intrometer-se nestas coisas que são, comparadas com outras, um pouco (ou mesmo muito) supérfulas. Por último lugar, poprque vai, quase inevitavelmente “forçar-me” a ir ao armário buscar aquele “guilty pleasure” que quase ninguém soube que tive. Vejo-o  de certa forma como um pequeno exorcismo. Mas a verdade é que em muitos casos acabo com um sorriso na cara.
Tome-se por exemplo o álbum de hoje (é dia 28 de Fevereiro no momento em que escrevo estas linhas). É o “Challengers”, dos The New Pornographers. Passei horas a ouvi-lo quando foi editado em 2007. Depois esqueci-me dele. Não devia ser assim. Com nomes como AC Newman e Neko Case, isto não devia acontecer. Mas acontece. Esquecemo-nos demasiado facilmente de muita coisa. Felizmente, de vez em quando, reencontramo-las.