Cass McCombs – Medusa’s Outhouse

Todos os anos há um álbum que reconheço como bom mas que, por um motivo ou por outro, custa mais entrar no ouvido. Este ano essa honra coube ao “Mangy Love” do Cass McCombs, sobre o qual até já escrevi umas linhas num post anterior. Essa barreira foi ultrapassada no final do mês passado, talvez por ir vê-lo ao vivo e isso me ter levado a escutar o álbum com mais alguma insistência. A verdade é que essa barreira invisível caiu e pude ver e escutar “Mangy Love” em toda a sua magnificência e plenitude.

O vídeo que acompanha estas palavras é para «Medusa’s Outhouse», a quinta canção do álbum, onde McCombs traça um paralelo entre o fim de uma relação amorosa e a mitologia grega, plena de tragédias e desamores.

Help me, help me to remember to forget
To forget what hasn’t happened yet
Knock me down that mystic slide again
Tell me, tell me about Medusa’s outhouse
Medusa’s outhouse, and the hornet’s nest
Stone me if I didn’t pass the test

cassmccombs.com
genius.com/Cass-mccombs-medusas-outhouse-lyrics

Elliott Smith – Miss Misery

Já descobri as canções do Elliott Smith há muitos anos mas mesmo assim fi-lo mais tarde do que devia. O meu álbum preferido dele continua a ser o “Either / Or” mas de entre todos os vídeos que existem dele, sejam clips ou de actuações ao vivo, há um que se destaca e a canção nem é desse álbum.

«Miss Misery» foi gravada para integrar a banda sonora do filme Good Will Hunting (com o Robin Williams e o Matt Damon) e pode ser escutada na íntegra nos créditos finais desse filme. Se por acaso ainda não o viram, deviam tratar de mudar isso. Fica a sugestão.

A canção foi também nomeada para melhor canção original nos Óscares de 1998 (perdeu para a «My Heart Will Go On» da Celine Dion) e por esse motivo foi interpretada ao vivo durante a cerimónia. Foi um momento impressionante. Não por se tratar de uma enorme canção (que é!), mas pela postura de Elliott Smith em palco. O desconforto era palpável. Sentia-se na voz. É um daqueles momentos em que é claro que aquela pessoa não quer estar ali. Aquele não era o seu palco. Mais importante do que isso: aquele não era o seu público.

I’ll fake it through the day
with some help from Johnny Walker red
Send the poisoned rain down the drain
to put bad thoughts in my head

genius.com/Elliott-smith-miss-misery-lyrics

Sun Kil Moon – Richard Ramirez Died Today of Natural Causes

Escolhi os Sun Kill Moon mas podia ter escolhido outro projecto. A ideia é mesmo falar no Mark Kozelek. Não é uma figura de todo consensual, é certo, ainda para mais com algumas posturas e atitudes demonstradas recentemente para com outros colegas de profissão que deixaram muito a desejar, mas isso não faz com que o norte-americano deixe de ser um grande criador de canções.

É o único escritor de canções que consegue pegar no mais improvável conjunto de palavras e torná-lo numa canção com cabeça, tronco e membros. Se não acreditam, oiçam a «Richard Ramirez Died Today of Natural Causes» e tirem as vossas conclusões.

Não são poucas as vezes em que damos por nós a ouvir verdadeiras leituras, testemunhos de vivências, experiências, pensamentos, ideias e sei lá que mais, que passam pela cabeça de Kozalek. Por vezes torna-se um pouco confrangedor; escutar aquelas palavras e saber que isto aconteceu àquela pessoa ou alguém perto dela mas depois faço o exercício contrário: e a quantidade de coragem que é necessária para de expor assim, perante tudo e todos? É imensa, a coragem ou a… loucura, se preferirem.

www.sunkilmoon.com
genius.com/Sun-kil-moon-richard-ramirez-died-today-of-natural-causes-lyrics

Memória de Peixe – Arcadia Garden

A ideia na génese dos Memória de Peixe tem tanto de simples como de genial e original. As canções são criadas, camada sobre camada, com base em loops de 8 segundos, que ora se repetem, ora são substituídos por outros. Daí a metáfora na qual o nome da banda se baseia: a curta memória de peixe. O álbum de estreia homónimo, foi editado 2011. Era excelente. Ainda o é. Digo é porque aquelas canções continuam a fazer sentido e a dar prazer ouvir. Mas a verdade é que já ansiava or algo novo. A espera terminou. Finalmente. Esta semana, Miguel Nicolau, o estratega-mor, e Marco Franco, o baterista de serviço, partilharam “Himiko Cloud”. E neste momento é mais do que justo colocar a questão: valeu a pena todo este longo tempo de espero? Resposta curta: SIM! Resposta mais elaborada: sim, é um álbum mais complexo, mais elaborado, repleto de pequenos pormenores. É daqueles álbuns que pode e deve ser ouvido com uns bons headphones na cabeça, porque só assim vamos conseguir apreciar todos os pequenos pormenores que dele fazem parte. Só assim vamos conseguir escutar tudo mas realmente tudo. E só assim vamos continuar a descobrir mais apontamentos, audição após audição.

A segunda questão que poderá assolar as vossas mentes pode bem ser o que quer dizer “Himiko Cloud”. O nome é catchy, sem dúvida. Podemos encontrar dois significados distintos; um científico e outro com origem nas mentes criativas dos Memória de Peixe. De um ponto de vista científico, uma Himiko Cloud, é uma nuvem de gás nebulosa, que se pensa ser uma protogaláxia apanhada no acto de formação. Podem ler mais sobre o tema aqui e aqui. No contexto que nos interessa, Himiko é o nome de um peixe anti-gravidade, que agrega todo o conceito em torno do álbum. Segundo os próprios “é um mundo de fantasia, aventuras, bosses finais, super-heróis, cometas solitários, odisseias espaciais e quarks zangados que se apaixonam por píxeis mortos.”.

«Arcadia Garden», a canção cujo vídeo podem ver de seguida, é apenas o início mas é um belo início. Venham mais.

Lauryn Hill – Everything Is Everything

A 25 de Agosto de 1998 foi lançado um álbum que ainda hoje é tido por muita gente, como uma obra-prima. Um conjunto de canções que continua a assombrar a mulher que as compôs. Passaram 18 anos e “The Miseducation of Lauryn Hill” continua a ser um álbum com a capacidade de marcar uma geração e de ganhar novos adeptos para a causa. Os géneros musicais que o álbum toca não são de todo aqueles pelos quais me “movo” habitualmente o que, por si só, pode e deve ser visto como um claro sinal do impacto que este conjunto de canções conseguiu ter naquele longíquo Verão de 1998. Escutamos Neo Soul, R&B, Hip Hop, Soul ou Reggae. Somos siderados pela forma como os géneros se casam e interligam de forma perfeita, enquanto Lauryn Hill aborda temas como a sua gravidez, os conflitos que ocorreram dentro dos Fugees e os sempre omnipresentes Deus e Amor (tem tanto direito a uma maiúscula como a palavra anterior!).

Estou a escrever esta linhas porque “tropecei” no vídeo que se segue. Infelizmente a nossa memória revela-se muito curta mais vezes do que devia e 18 anos é muito tempo. É uma sensação óptima perceber que, passados estes anos todos, as palavras que Lauryn Hill canta, continuam a fazer sentido. A ter a capacidade de ecoar cá dentro. É uma demonstração cabal da sua força mas também é uma prova que, mesmo volvidos 18 anos, há coisas em nós que não mudam e se mantêm fieis.

Everything Is Everything
What is meant to be, will be
After winter, must come spring (must come spring)
Change, it comes eventually
Everything Is Everything
What is meant to be, will be
After winter, must come spring (must come)
Change, it comes eventually

I wrote these words (I wrote these words) for everyone who struggles in their youth
Who won’t accept deception, in instead of what is truth
It seems we lose the game
Before we even start to play
Who made these rules? (Who made these rules?)
We’re so confused (We’re so confused)
Easily led astray
Let me tell ya that…

www.lauryn-hill.com
genius.com/Lauryn-hill-everything-is-everything-lyrics

PJ Harvey – The Community of Hope

Escolhi a primeira canção de “The Hope Six Demolition Project”, «The Community of Hope» mas podia ter escolhido qualquer outra. É que as onze canções que fazem parte do décimo primeiro álbum de estúdio de Polly Jean Harvey são todas elas um relato, uma denúncia,, uma partilha, uma experiência de vida. A veia política de PJ tem vindo a ganhar força e atinge o seu pico (até ao momento) aqui, fruto do contacto e tempo passado com refugiados e em zonas de conflito como o Kosovo e o Afganistão, bem como o contacto com bairro de Ward 7, em Washington DC e sobre o qual esta canção versa.

&nbsp

São palavras duras, as que PJ Harvey canta e que não se livraram de críticas e polémica por parte dos próprios habitantes do próprio bairro, pela perspectiva sombria que a canção traça, enquanto ignora o que de bom por lá se passa. Independentemenre disso, nada belisca o facto de que estamos perante uma curta mas belíssima canção. E é só a primeira de onze.

&nbsp

Here’s the Hope Six Demolition Project
Stretching down to Benning Road
A well-known “pathway of death”
At least that’s what I’m told
And here’s the one sit-down restaurant
In Ward Seven, nice
OK, now this is just drug town, just zombies
But that’s just life

Angel Olsen – Shut Up Kiss Me

Sou capaz de passar horas a ouvir a Angel Olsen cantar. Porquê, poderão perguntar. É simples. Pela voz que nos agarra desde o primeiro momento. Pela presença. Pelas palavras que canta. Parecem versos simples. Daqueles com que nos conseguimos identificar num dado momento das nossas vidas. Mas a verdade é que as palavras tiveram de ser combinadas. Os versos tiveram de ganhar forma. Chamar-lhe menina bonita do rock alternativo (malditos rótulos!) é de uma tremenda injustiça. Neste momento é uma certeza e uma das mais talentosas escritoras de canções norte-americana.

«Shut Up Kiss Me» é um canção tremenda. A matriz é rock, a essência é o amor. A forma como Olsen quase atropela a cantar o refrão é deliciosa.

Shut up kiss me
Hold me tight
Shut up kiss me
Hold me tight
Shut up kiss me
Hold me tight

Porque o amor é assim, não é? Intenso, mesmo quando só a um.

angelolsen.com
genius.com/Angel-olsen-shut-up-kiss-me-lyrics

Nick Cave & The Bad Seeds – I Need You

“Skeleton Tree” é um tremendo murro no estômago. É um testemunho vivo de dor colocada sobre a forma de palavras. É sobre perda e sobre como lidar com ela. Ou tentar. Sobre como viver com ela. Ou tentar. É um álbum assustadoramente belo sobre a morte. É o álbum que nunca deveria ter sido composto.

Em Skeleton Tree existem nove grandes canções. I Need You é uma delas. Começa ao som do teclado de Warren Ellis, que lhe confere reverência e profundidade. Depois a voz de Nick Cave faz o resto. Por vezes quase no limiar do embargado. Grave. Dolorosa. Partilhamos a sua dor.

Nothing really matters, nothing really matters when the one you love is gone
You’re still in me, baby

I need you
In my heart, I need you

http://www.nickcave.com
http://genius.com/Nick-cave-and-the-bad-seeds-i-need-you-lyrics

Cass McCombs – Opposite House

Não há pessoas perfeitas. Isso é um mito. As canções perfeitas são raras. Cass McCombs não as sabe fazer más e acreditem que isso vale ouro nos dias que correm, onde há tantas canções novas a aparecer a todo o momento e a serem esquecidas com a mesma velocidade.

«Opposite House» reúne qualidades/ingredientes tão distintos e apelativos como aquela guitarra que já é imagem de marca de Cass McCombs, a voz de Angel Olsen (<3) nos coros para nos aquecer a alma, aquelas cordas tão pouco habituais mas que soam bem mas bem (venham mais!) e as letras que nos fazem pensar no seu real sentido e nos sentimentos que encerram em si. Até há tempo para nos explicar como funciona um iman: “How do you make a magnet? / You create a potential / Just an old refrigerator magnet / Repelled and pulled / Ooohhhh why so needy? / Tell me why”.

No final da canção, McCombs, canta “Why does it rain inside?”; não consigo deixar de pensar que este último verso da canção sumariza de forma perfeita muito do que se passa à nossa volta. Apercebemo-nos dos problemas, vemo-los materializarem-se diante de nós e à nossa volta, a ter impacto cada vez mais directo nas nossas vidas e, mesmo assim, ficamos impávidos e serenos a ver tudo acontecer, sem nada fazer.

cassmccombs.com
genius.com/Cass-mccombs-opposite-house-lyrics

Radiohead – A Moon Shaped Pool

Gosto dos Radiohead. Não os adoro. Esse estatuto de reverência reservo-o para outros nomes que não vem ao caso aqui. Mas respeito muito estes rapazes. Em primeiro porque não se repetem, o que é realmente admirável nos tempos que correm e algo que gosto particularmente numa banda. São senhores dos seus narizes. Verdade seja dita que têm tudo para o ser mas também não é menos verdade que poderiam optar por outros caminhos ou abordagens tidos por muitos como mais fáceis.

Tal como meio mundo, estou a começar a ouvir o “A Moon Shaped Pool”. A opinião não está por isso ainda formada mas desde logo que salta à vista a urgência do álbum. Há uma paranóia palpável e latente nestas canções. Talvez por esse motivo o álbum soe mais orgânico; há menos elementos electrónicos. Talvez reflexo de uma necessidade de contrarir eses sentimentos. Talvez uma forma de dizer que o caminho que estamos a seguir como sociedade não nos vai levar a nenhum sítio bom e que é urgente dar alguns passos atrás e seguir noutra direcção antes que seja tarde de mais.

Não é imediato. Está repleto de pequenas subtilezas e detalhes que se descobrem audição após audição. Agora vou continuar a descobri-lo e a conhecê-lo…